Vereador Corazinho pede criação de CPI para investigar mortes no Centro de Hemodiálise de Cacoal

Publicado 20/10/2021
A A
FOTO: ASSESSORIA

Ao usar a Tribuna da Câmara Municipal de Cacoal na Sessão Ordinária desta segunda-feira (18),o vereador Valdomiro Corá (Corazinho/MDB) solicitou ao presidente da Casa de Leis João Paulo Pichek (PR), que formasse uma Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) para investigar as 30 mortes ocorridas nos últimos 7 meses no Centro de Hemodiálise de Cacoal.
A denúncia foi oficializada pelo vereador Paulo Henrique dos Santos Silva (dr Paulo Henrique/PTB) na mesma Sessão. “Esta Casa precisa cobrar do prefeito, da secretária de Saúde e demais responsáveis, uma explicação sobre essas denúncias, e osobre o que pode ser feito para que esta situação, que é muito séria, se resolva”, cobrou Corazinho.
Em à parte, o vereador dr Paulo Henrique, assegurou que já falou com profissionais da área, e deixou claro que a denúncia e tão grave que o Ministério Público (MP) já está tomando providências em relação ao assunto. 
“O Laudo comprova que a contaminação está no bico, dentro da máquina, por falta de manutenção. Um bico custa em torno de R$ 1 mil, mas a Prefeitura não trocou nos últimos 7 meses. A empresa anterior trocava mensalmente, mas isso não foi feito na atual gestão”, reforçou o vereador autor da denúncia, lembrando que o contrato com a empresa que prestava o serviço, venceu em maio deste ano, e questionando: “como que o dinheiro do Governo Federal continua caindo na conta da empresa, e a Prefeitura administrando a pessoa jurídica da empresa e a conta bancária sem renovar o contrato?”.
Áudio confirma 
Em áudio divulgado amplamente na tarde desta segunda-feira nos grupos de WhatsaAp do município, responsável pela empresa que administrava anteriormente o Centro de Diálise de Cacoal, confirma as 30 mortes ocorridas nos últimos 7 meses ao vereador Paulo Henrique e assegura que, desde que a atual Administração Municipal assumiu o serviço, os filtros das máquinas que servem para evitar impurezas, não foram mais trocados. 
“A contaminação dos bicos das máquinas, é um fator incontestável constatado no Laudo, e a demissão de funcionários para contratação de pessoal sem experiência na área, pode ser uma das causas de contaminação também”, confirma o médico no áudio, denunciando também falta de aquisição de novos cateteres pararealização da hemodiálise como outro fator que pode ser agravante para as mortes.
De acordo com o médico, o caso foi denunciado pelas médicas responsáveis ao MP (confira abaixo na íntegra). 
Ao fazer uso da Tribuna, o presidente da Câmara disse que não considera necessária a instalação de uma CPI para investigar o caso, e apenas solicitou a Comissão de Saúde do Legislativo que verifique a situação para averiguar a veracidade das informações, “e caso outros vereadores queiram, podem acompanhar a Comissão em uma visita ao local”.
Seguindo seu raciocínio de dúvidas em torno das denúncias, Pichek relatou ainda que, “se realmente tivessem ocorrido estas 30 mortes, certamente a Sessão da Câmara teria pelo menos cinco pessoas cobrando uma solução para isso”.
As dúvidas em torno do assunto, -mesmo diante das provas detectadas no Laudo após a coleta de amostras, e que foi amplamente divulgado por vários sites noticiosos do estado-, foram endossadas pelos vereadores Paulo Roberto Duarte Bezerra (Paulinho do Cinema PSB) e Ezequiel Câmara (Minduim PP).
13º
Outro problema de gestão em torno do Centro de Diálise de Hemodiálise de Cacoal que já foi denunciado pelo vereador Corazinho, é a falta de pagamento do 13º referente à dezembro de 2020 que trabalham na Unidade e ainda não foram pagos pela Prefeitura, que se comprometeu em pagar o benefício ainda em janeiro deste ano quando assumiu a administração do local. A informação também foi confirmada por servidores ao vereador dr Paulo Henrique nesta segunda-feira (18).
Casas Populares
Durante o seu discurso na Tribuna da Câmara, o vereador Corazinho também solicitou à Mesa Diretora da Câmara que oficialize o secretário de Planejamento do município para que preste esclarecimentos sobre o processo do Residencial Cidade Verde, que conforme salientou, “está parado, e até o momento não tem uma solução”.
“Quero dizer a todos que o vereador Corá, juntamente com os demais vereadores de Cacoal, tem lutado em defesa dos contemplados com as Casas Populares, e da validade do Sorteio realizado em dezembro de 2020”, completou.
Na Sessão, o vereador também voltou a cobrar esclarecimentos sobre o retorno das aulas na área rural. “Se for esperar fabricar ônibus para atender a demanda, teremos aula só em 2023”, alertou o parlamentar, chamando a atenção dos pais para que também se atentem à real situação da Educação para que “os filhos não sejam ainda mais prejudicados”.
 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Fique ligado!

Quer receber nossas notificações?